Pages

Ads 468x60px

terça-feira, 24 de abril de 2012

Repo! The Genetic Opera

Repo! The Genetic Opera. Uma ópera rock gótica. Dos produtores (e do diretor) de Jogos Mortais III, IV e V. Não! II, III e IV! (Bem que poderiam retirar a numeração desses filmes, pessoal vê mesmo pela curiosidade sádica pelas armadilhas engenhosas...)

Bom, uma ópera gótica. Do diretor de Jogos Mortais. O que esperar disto?

----------------------------------------------------------------
Como de praxe, vamos à sinopse:

Em meados de 2056, após o mundo sofrer uma epidemia de falência de órgãos por consumo de refrigerantes e salgadinhos, uma corporação agora influente em vários setores da sociedade e comércio, a GineCo, fornece órgãos transgênicos no melhor estilo operadoras de celulares, liberando órgãos para quem precisa em troca de um contrato com a corporação, que está cheio das letrinhas miúdas fazendo a pessoa se afogar em dívidas ou virar uma escrava da empresa. Mais ou menos como aquele emprego que te dá o mínimo para sobreviver em troca de ser escravo deles, mas isso não vem ao caso...

A história gira em torno de nossa pequenina Amy Lee ( quero acabar logo essa sinopse pra falar da cena onde ela solta sua Avril Lavigne Trevosa interior, kkkkk), que doente e superprotegida por seu pai-acima-de-qualquer-suspeita, dá umas fugidinhas pro cemitério para beber vinho Cantina das Trevas na caveira visitar o túmulo da mãe. Daí tem a apresentação da GineCo, a família que manda em tudo por lá, com o Gordinho T. Nor, como presidente e seus filhos: Amber como Paris Hilton, Pavi como malkavian-marilinmanson-tarado e Luigi-Bipolar, como irmão do Mário.

Sem dar spoiler, acho que é tudo. Basta dizer que envolve uma sociedade onde a GineCo pode legalmente mandar os Repomen recuperar os órgãos de quem não está em dia com as mensalidades. Que bom que não fica só nisso, o enredo consegue riscar essa superfície indo um pouco mais fundo...

-------------------------------------------------------------------------------------

Ah, falei que é um musical? Nem precisa, certo? Bom, não posso falar de Repo! sem separar em categorias distintas:

História: Não é tão original, mas também não é um cliché. Quem não paga pelos órgãos, tem eles retirados à força e à faca pelos Repomen. A menininha de dezessete anos toda inocente e delicadamente gótica que se vê no meio dos planos da organização, tem surpresas com o pai e quer saber???

A PARTIR DESTE PONTO TEM SPOILERS (um pouquinho)! Mas neste tipo de filme isso não influencia muito não, pode continuar de boa!

Seu pai é um Repoman secretamente. Gordinho T. Nor quer ela para seguir os negócios da família, vai saber o por quê, já que ela poderia ser uma escolha pior que os descerebrados dos filhos dele que já têm alguma experiência na indústria, em troca da menina trair o próprio pai. E é isso. Conta também com o lance do Zydrate, que é nada mais nada menos que um analgésico para os viciados em cirurgia, e que estranhamente pode ser retirado de cadáveres.

Originalidade: Neste ponto o filme vai bem. O visual apocalíptico-cyberpunk-gótico-futurista é uma interpretação do que pode se tornar o mundo numa realidade paralela. E por que não? Não poderíamos pegar o que temos hoje e imaginar um futuro pós-apocalíptico-facebookiano-funkeiro-futurista?
Pegar um tema como a genética e mercado de órgãos e encaixar uma ópera gótica nisso não é original???

Visual: O filme é bizarro, e isso não é ruim. O figurino, os cenários (na cara que são CG), as transições estilo HQ, a maquiagem, tudo é trabalhado para ser visceral. Até as vísceras arrancadas dos caloteiros são extremamente viscerais, é um agradinho pros fãs de SAW. Os rosqueirinhos e góticas trevosas irão amar. Sério! Todos os vestidos e elementos de couro e látex e presilhas e fivelas e máscaras de gás... Não recomendado para góticos iniciantes de estômagos sensíveis.

Atuação: Eles cantam, dançam, interpretam! Algumas músicas são interessantes, três delas concorreram ao oscar, mas na interpretação, ficou algo meio... Meio... Não é um filme B... Poderia ser um filme A- ... Algo de bizarro e esquisito paira no ar quando eles interpretam, não sei explicar.

Músicas: É um musical gótico e nisso vai bem. Algumas músicas são boas, outras são muito, muito creepy de imaginar, como as partes de comédia quase pastelão... Pastelão gótico... Sei lá, pareceu participação do Lacrimosa na Turma do Didi. Tirando os momentos toscos, o filme se sai bem na parte musical.

A cereja do bolo é quando, confrontada pelo pai super-protetor, nossa gotiquinha delicada libera seu lado super-saiyajin trevoso, sua avril-enlouquecida-lavigne fazendo um show (literalmente) em seu quarto (era um devaneio, uma interpretação do momento de transição para a vida quase-adulta e o controle sobre a própria vida). Bom, isso tudo só que não, pois continua delicadinha e passiva. Mas o clipe é DEMAIS! Demais de constrangedor! Tem até uma guitarrista secando ela, e tem ela rasgando o vestido, tem pulinhos na cama, tem dedinho na cara do papai, tem bitch-slap, tem muita revolta e rebeldia!
Antes...
... Depois!




Meiga, delicada, frágil, melancólica e sensível às dores da alma neste mundo desgraçado pela ambição e falta de amor.










Uma mulher madura, forte, capaz, de bem com sua sexualidade e durona, sem perder os sonhos e o desejo de encontrar a felicidade às custas do trabalho duro e lutas diárias. Aqui tem o trecho do clipe onde mostra a transformação da personagem.








Pena que não tirou a peruca. Sério, no filme esse cabelo aí é peruca, ela seria carequinha feito um ovo de galinha. Seria bacana se tatuasse GENECO IS MURDER na careca!

--------------------------------------------------------------------------------------

O final do filme é quando as coisas mais tensas acontecem, com direito à velhinha DJ, fura-olho e ironias. Não vou falar pra não estragar as surpresas.

Bom, considerando que este deixa um gancho para uma continuação, e desde 2008 não há boatos de continuação, posso esquecer minhas esperanças para tal. Realmente, pegando o gancho do primeiro e LAPIDANDO as coisas ruins, se tornaria um bom filme. Sério.

Gostei pela criatividade, originalidade, mesmo beirando a pornochanchada gótica. Se saísse uma continuação, apostaria que consertariam tudo que não foi bem no filme, e teria tudo pra se tornar uma franquia de sucesso. Uma série, talvez? Uma websérie? Novela do SBT "Genes Rebeldes"?

Recebeu uma bostinha pela falta de apara nas arestas, uma bostinha pelo conjunto da obra e a terceira bostinha pela Paris Hilton.

Nota:  

1 comentários:

 

Carteirinha Vip

Bilheteria